CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > B > Bomba de Gasolina do Espírito Santo
 

 

 

Bomba de Gasolina do Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

A Bomba de Gasolina do Espírito Santo situava-se no sítio Espírito Santo e Calçada, numa espécie de gaveto formado pela hoje estrada João Gonçalves Zarco e pela rua da Carreira. Por volta de 1930[1], foram construídas pela firma Leacock, umas pequenas instalações destinadas ao funcionamento de uma bomba de gasolina da BP, instalações essas que, posteriormente seriam transformadas em mercearia, estabelecimento que terá funcionado até ao início da década de 50.

A 31 de Maio de 1955, a quando da passagem do presidente Craveiro Lopes, por Câmara de Lobos, encontravam-se estas instalações degradadas, tendo abatido em parte, devido ao peso de algumas pessoas que subiram para a sua cobertura afim de melhor observar o presidente da república e, em consequência disso, falecido uma mulher. Em finais de 1955, princípios de 1956, são demolidas e substituídas por outras, mediante projecto aprovado em 27 de Outubro de 1954 e alterado em Setembro de 1955, por forma a poder instalar uma nova bomba de gasolina, também da BP, obedecendo a linhas modernas e que, haveria de funcionar até 1995. Neste ano, mais precisamente a  20 de Setembro, esta bomba seria substituída por outra localizada nas proximidades e dotada de maior capacidade e funcionalidade.

O espaço deixado vago pela antiga bomba, seria substituído por um pequeno jardim, em cuja parte central viria a ser implantada, no início de 1998, um trabalho escultórico em cantaria, da autoria do escultor António Matos e resultante da sua participação na I Semana da Pedra, realizada em Câmara de Lobos entre 11 e 17 de Outubro de 1997.


 

[1]     O Jornal, Funchal, 9 de Setembro de 1930.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura