CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > B > Borracheiro
 

 

 

Borracheiro

 

A ele se associam quase sempre cantares tristes e cadenciados que acompanham o passo, às vezes penoso, enquanto transportam o borracho. E é desse borracho que lhe advém o nome pelo qual ficou conhecido.

(…) Estes homens transportavam os borrachos desde o lagar até aos estabelecimentos que lhes haveriam de comprar o mosto, do qual mais tarde se faria o vinho.

O borracho, por sua vez, é feito com odre de pele de cabra devidamente tratada e preparada para transportar o mosto. O resultado final é um recipiente que se adapta de forma quase perfeita ao dorso do homem que o carrega. Numa das obras de Alberto Vieira, pode ler-se que o surgimento deste característico e rústico objecto, já antes da Madeira, fora visto em Canárias e no Norte de África, sendo certo que «não é uma criação madeirense». Em África, era usado para se guardar e transportar água. Embora haja indícios da presença de borrachos na Madeira já no século XVI, o termo aplicado a este instrumento parece só surgir em datas bastante mais recentes. A fotografia que hoje "recuperamos" mostra bem o esforço e o peso que pelo corpo destes homens passava. Num ofício que ainda assim era temporário, apenas ocorrendo em época de vindimas, os borracheiros caminhavam em veredas, caminhos de cabras, ribeiras e outros percursos bem duros.

Este é um cenário que na Madeira de hoje já quase não existe. São retratos de costumes que o tempo se encarrega de fazer distantes. Recuando no tempo, um precioso parágrafo escrito por João França (em Crónicas Madeirenses, 1979) ilustra-nos a árdua tarefa destes homens: «Cobre o borracheiro dezenas de quilómetros no seu dia de trabalho, nunca sozinho mas em rancho, caminhando à formiga: passo miúdo, apressado, o pescoço vergado sob o peso da carga, os olhos no chão do caminho difícil, na torreira do sol. Nada de queixumes contra a dureza da vida. Pelo contrário, eles cantam, embora por simples hábito».

 

Luís Sena Lino, In Diário de Notícias - Revista

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura