CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > A > Administrador de Concelho
 

 

Administrador de concelho

De acordo com a Wilkipedia [http://pt.wikipedia.org/wiki/Administrador_de_concelho], o administrador de concelho era o magistrado administrativo existente junto de cada concelho de Portugal, entre 1835 e 1937.
Os administradores de concelho eram os delegados do governo central junto de cada um dos municípios do país, exercendo as competências de garantia da boa aplicação das leis e dos regulamentos da administração pública, da superintendência dos estabelecimentos escolares, hospitalares e de beneficência e de autoridade policial. Os administradores de concelho estavam subordinados ao governador civil do respetivo distrito, exercendo as suas competências sob supervisão destes. Por sua vez, os administradores de concelho supervisionavam os regedores de cada uma das freguesias dos seus concelhos. Nos concelhos de Lisboa e Porto, não existiam administradores de concelho, sendo as suas competências exercidas por vários administradores de bairro.
O Código Administrativo de 1936 levou à transferência das competências dos administradores de concelho para os presidentes das câmaras municipais, originando a sua extinção
.

Ainda que com base num levantamento incompleto e necessitando de estudo mais aprofundado, não poderemos deixar de, neste texto, deixar registadas algumas notas sobre alguns dos Administradores de Concelho, que exerceram essas funções no concelho de Câmara de Lobos.

O primeiro Administrador do concelho de Câmara de Lobos foi Manuel Joaquim Lopes nomeado para esse cargo a 4 de Outubro de 1835. Sucedeu-lhe Francisco Nunes Pereira de Barros, nomeado por portaria de 23 de Fevereiro de 1839, tendo-se mantido no cargo, segundo lápide tumular existente no cemitério de Câmara de Lobos, até 1853. Na realidade Francisco Nunes Pereira de Barros foi a 25 de Março de 1953 suspenso do exercício do cargo de administrado e substituído pelo morgado António Ferreira Correia, que já anteriormente durante algum tempo também o havia substituído . O comendador António Ferreira Correia Henriques, ocupava o cargo de administrador em 1855 , abandonando-o em finais de Outubro princípios de Novembro de 1860, altura em que é substituído nessas funções por António Francisco Cairos Rego. Com efeito, António de Cairos Rego apresenta-se na sessão camarária de 27 de Novembro como administrador do concelho, cargo em que terá estado até 1870 , sendo ao que se supõe substituído por seu filho Augusto de Cairos Rego, que por sua vez daria o lugar a Manuel Pinto Correia. Manuel Pinto Correia exerceu as funções de administrador entre 21 de Maio de 1870 e data próxima a 23 de Janeiro de 1874. José F. da Silva é dado, em Junho de 1879, como tendo sido nomeado administrador de Câmara de Lobos . João Augusto Faria, filho do Dr. António Joaquim Faria é dado como administrador do concelho de Câmara de Lobos em Março de 1880, cargo para que fora nomeado nesse mês . Manuel Pinto Correia volta, no entanto a reassumir tais funções em data próxima a 28 de Fevereiro de 1887 mantendo-se até 1890. Com efeito, segundo o Diário de Noticias de 30 Agosto de 1890, Manuel Pinto Correia havia sido exonerado do cargo de administrador do concelho, sendo nomeado em sua substituição Luís Soares de Sousa Henriques. Segundo a acta camarária de 7 de Abril de 1897, o médico Dr. António Silvino de Macedo, terá tomado posse do cargo de Administrador do concelho a 24 de Fevereiro de 1897, cargo que exerceu até finais de Fevereiro de 1899, dando a 1 de Março de 1899, lugar a Manuel Joaquim Lopes, administrador substituto e que se mantém no cargo até finais de Julho de 1900. Substituiu-o Francisco Nunes Pereira de Barros Júnior, que na sessão camarária de 25 de Julho de 1900 surge como administrador em vez de presidente de Câmara que nessa altura era. No entanto, a sua responsabilidade como administrador terminaria nesse mesmo dia com a nomeação de Luís Soares de Sousa Henriques, para o cargo de administrador interino e em cujas funções se mantém até finais de Dezembro de 1901, sendo substituído no cargo pelo facultativo Dr. Artur Leite Monteiro. Artur Leite Monteiro é nomeado por alvará de [...], para o cargo de administrador do concelho, assume essas funções no dia 4 de Janeiro de 1902 e nelas permanece até finais de Fevereiro, princípios de Março, sendo substituído por Luís Soares de Sousa Henriques, então presidente da Câmara e que já na sessão de 17 de Março, nela participa já na qualidade de administrador, funções que mantém até 16 de Abril, data do alvará que volta a nomear Artur Leite Monteiro para aquele cargo e onde permanece até 18 de Setembro de 1902, altura em que o Governador Civil, assina o alvará de nomeação do médico cirurgião José Joaquim Mendes. Relativamente a Artur Leite Monteiro, o seu mandato não terá sido fácil, uma vez que, de acordo com o Diário de Notícias de 14 de Janeiro de 1902, uma comissão de cidadãos de Câmara de Lobos, deslocou no anterior ao Funchal, para pedirem ao Governador Civil que o retirasse de lá, para que este não influísse nas eleições para a Junta de Paróquia e que preferiam que estas se realizassem na igreja. Em resposta, o Governador Civil terá dito que lhe cabia a ele nomear dos seus delegados públicos e que havendo edifícios públicos deveria ser lá que o acto eleitoral se deveria realizar. No entanto, ao que parece, a vontade popular terá não sido aceite, pelo menos no que diz respeito ao administrador. Artur Leite Monteiro, ao que se julga provavelmente pelo conteúdo da notícia publicada em 14 de Janeiro de 1902 seria facultativo e administrador interino, o que será necessário confirmar dada a disparidade de dados. Ainda relativamente à identidade de Artur L. Monteiro, na acta camarária de 18 de Agosto de 1897, há referência a um Dr. Carlos Artur Leite Monteiro escolhido para fazer parte de um júri em Câmara de Lobos, o que nos leva a suspeitar poder tratar-se do mesmo indivíduo. Para substituir o tal Artur, viria a ser nomeado em Maio de 1902 Manuel Casa Branca que em Julho de 1902, ainda se mantém em funções . O Dr. José Joaquim Mendes foi nomeado para o cargo de administrador do concelho de Câmara de Lobos pelo alvará de 18 de Setembro de 1902, sendo substituído por Luís Soares de Sousa Henriques. Luís Soares de Sousa Henriques é nomeado para esse cargo através do alvará de 26 de Janeiro de 1903, sendo substituído por João Frederico Rêgo. João Frederico Rêgo é nomeado administrador interino do concelho de Câmara de Lobos, por alvará de 14 de Junho de 1904, tendo tomado posse no dia seguinte , sendo exonerado desse cargo no dia 25 de Junho de 1904. Contudo, pouco tempo depois devido à exoneração de João Frederico Rêgo, ocorrida a 25 de Junho de 1904, Luís Soares de Sousa Henriques volta a assumir o cargo de administrador do concelho até à nomeação, ocorrida a 26 de Outubro de 1904, de Manuel Joaquim Lopes para administrador do concelho, que mantém no cargo até Março de 1906, altura em que é substituído por Luís Soares de Sousa Henriques. Com efeito, no dia 10 de Abril de 1906, Luís Soares de Sousa Henriques, surge na sessão camarária, como administrador do concelho, cargo para que fora nomeado por alvará de 4 de Abril, dia em que também toma posse . Segundo o Diário de Notícias de 13 de Março de 1908, no dia 12 de Março de 1908 Manuel Joaquim Lopes é novamente nomeado administrador do concelho. Na sessão camarária de 20 de Julho de 1910, Luís Soares de Sousa Henriques, antes presidente da Câmara, surge como administrador do concelho, cargo que ocupa até aos primeiros dias de Dezembro do mesmo ano, altura em que é substituído por Gastão Ribeiro Pereira . O Alferes Gastão Ribeiro (Nóbrega) Pereira foi nomeado no dia 29 de Novembro de 1910 e tomou posse no cargo de administrador no dia 11 de Dezembro, estando já presente nessas funções, na sessão camarária do dia seguinte, substituindo nesse cargo Luís Soares de Sousa Henriques. Em finais de Abril de 1911, foi demitido a seu pedido e substituído por Óscar Manuel Jardim Xavier, nomeado por alvará de 22 de Abril , . Na sessão camarária de 3 de Maio de 1911, Oscar Manuel Jardim Xavier surge como administrador do concelho de Câmara de Lobos , mantendo-se até finais de Setembro do mesmo ano, uma vez que aos 22 dias de Setembro de 1911, comparece como administrador Manuel Justino Henriques, que deixa as suas responsabilidades como presidente da Câmara Municipal, cargo que por ocasião da sessão camarária de 8 de Novembro de 1911, já não exercia, uma vez que neste dia preside à respectiva sessão, isto apesar do novo administrador o Bacharel João Augusto Figueira César, só ser nomeado para tal cargo por alvará de 27 de Novembro de 1911. O Dr. João Augusto Figueira César foi nomeado Administrador do Concelho de Câmara de Lobos, por alvará do Governador Civil de 27 de Novembro de 1911, sendo substituído em Abril de 1912 por Frederico Pinto Coelho, nomeado por alvará de 13 desse mês , ; Frederico Pinto Coelho surge na sessão camarária de 2 de Maio de 1912 e ter-se-á mantido no cargo até finais de Setembro, princípios de Outubro, sendo substituído por Francisco Teodoro da Silva , que é nomeado para o efeito, por alvará de 14 de Outubro de 1912, isto apesar do Diário da Madeira de 15 de Outubro de 1912, ter noticiado que Frederico Pinto Coelho, iria ser substituído nestas funções por António Augusto da Silva (será que chegou a ser administrador?). Na altura em que assumiu as responsabilidades de administrador do concelho, Francisco Teodoro da Silva era presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos. No entanto, na sessão de 25 de Novembro de 1912 Francisco Teodoro da Silva , já surge novamente como presidente da Câmara Municipal, para na sessão de 13 de Janeiro de 1913, voltar novamente a ocupar as funções de administrador, sendo substituído na presidência da Câmara pelo seu vice-presidente Luís Soares de Sousa Júnior. O tenente de Infantaria 17 João Carlos de Vasconcelos terá sido nomeada administrador do concelho a 30 de Abril ou nos primeiros dias de Maio de 1913 , , , cargo que terá deixado nos primeiros dias de Outubro do mesmo ano . Em meados de Outubro, o Diário de Notícias dava conta da provável nomeação de Francisco Correia Caldas para administrador do concelho . Segundo o Diário da Madeira de 13 de Junho de 1914 era nesta altura administrador do concelho Francisco Teodoro da Silva. Em meados de Dezembro de Dezembro de 1914 o Diário de Notícias anunciava a nomeação de Carlos Justino Moniz Teixeira para administrador do concelho . Em 1915, segundo o Diário de Noticias de 25 de Março de 1915 no dia anterior havia tomado posse do cargo de administrador João Joaquim Henriques, proprietário rural e sócio gerente de um dos melhores estabelecimentos fabris de Câmara de Lobos, cargo para que tinha sido nomeado por alvará de 22 de Março de 1915 . Segundo o Diário de Noticias de 30 de Setembro de 1917, por alvará do dia anterior tinha sido nomeado administrador o Dr. António Augusto da Silva, tendo a posse sido conferida a 3 de Outubro do mesmo ano . Na altura estava exercendo interinamente funções João Florentino Gonçalves; João Isidoro de Araújo Figueira era administrador do concelho de Câmara de Lobos em 28 de Julho de 1918 ; De acordo com o Diário de da Madeira de 29 de Março de 1919 era administrador do concelho de Câmara de Lobos o Dr. João Augusto Figueira César que nessa altura se havia deslocado ao Funchal para tratar de envio de milho para o concelho; De acordo com o Diário da Madeira de 16 de Junho de 1921 o Dr. Carlos de Castro Abreu havia sido nomeado Administrador do concelho de Câmara de Lobos. De acordo com o Diário da Madeira de 18 de Junho de 1921, o Dr. Carlos de Castro Abreu, havia sido empossado dois dias antes no cargo de administrador do concelho de Câmara de Lobos, cargo de que no entanto haveria de pedir a exoneração alguns dias depois sendo substituído por Manuel Eduardo da Silva, industrial no Funchal, empossado nessas funções a 28 de Junho de 1921, isto segundo o Diário da Madeira de 29 de Junho de 1921; Celestino José Migueis de Vasconcelos, 3º oficial do Ministério da Agricultura, madeirense, de acordo com o Diário de Noticias de 29 de Dezembro de 1921 havia tomado posse do cargo de administrador no sábado anterior, continuando em tais funções em 20 de Janeiro de 1922 . Francisco Correia Caldas era administrador em 25 de Novembro de 1922 ; de acordo com o Diário de Noticias de 12 de Abril de 1924 Celestino Miguel de Vasconcelos havia sido novamente nomeado administrador do concelho de Câmara de Lobos; Manuel Eduardo da Silva foi de acordo com o Diário de Notícias de 20 de Janeiro de 1925 nomeado delegado do Governo, tendo tomado posse no dia anterior; João Gomes da Silva Camacho, comerciante, foi de acordo com o Diário de Notícias de 11 de Fevereiro de 1925 nomeado delegado do Governo do concelho de Câmara de Lobos; a imprensa de 3 de Dezembro de 1926 informava que João Florentino Gon-çalves, antigo chefe da Secretaria da Administração do concelho, havia entrado em funções no cargo de Administrador do concelho para que fora nomeado dias antes . José de Barros Júnior, proprietário em Câmara de Lobos havia tomado posse do cargo de administrador no dia anterior, a 14 de Setembro de 1927 ; o Jornal de 17 de Janeiro de 1928 referia que Silvestre Vieira, na altura presidente da Câmara, seria forçado a deixar o lugar visto ter de acumular o cargo de administrador e não ter tempo para o efeito; João Gonçalves Rocha, de acordo com o Diário da Madeira de 25 de Maio de 1930, assumiria, por essa ocasião, interinamente o cargo de administrador; José de Barros Júnior, era de acordo com o Diário da Madeira de 29 de Agosto de 1930, administrador; João Ernesto Pereira que de acordo com o Diário da Madeira de 9 de Agosto de 1931 na sequência da exoneração dos dirigentes autárquicos assume tanto a presidência da Câmara como a Administração; Agostinho de Sousa, nomeado por alvará de 16 de Julho de 1934 administrador e presidente da Câmara ; Carlos Fernandes Dantas, nomeado por alvará de 26 de Julho de 1934 vogal da comissão Administrativa de Câmara de Lobos, acumula o cargo de Administrador do Concelho, cargos de que tomou posse no dia seguinte ; Por alvará de 12 de Maio de 1937, Ângelo de Menezes Marques, é nomeado vogal da Comissão administrativa da Câmara e administrador do concelho, vindo posteriormente, a 13 de Maio a ocupar também a presidência da Câmara. Sendo administrador é de acordo com o Diário da Madeira de 29 de Julho de 1937 exonerado das suas funções por incompatibilidade, mantendo-se contudo na presidência da Câmara, sendo substituído por João Ernesto Pereira que antes já havia exercido as funções de presidente da Câmara e de Administrador e que tomou posse do cargo no sábado anterior a 1 de Agosto de 1937; de acordo com o Diário da Madeira de 11 de Novembro de 1939 o Tenente Manuel Carlos de Sousa tinha acabado de ser nomeado por alvará do Governador Civil, administrador do concelho de Câmara de Lobos, em substituição de João Ernesto Pereira que tinha pedido a exoneração, apesar de ter aceitado ser nomeado para vogal da Comissão Administrativa, decorrendo a posse do novo administrador a 16 de Novembro de 1939. De acordo com o Diário de Noticias de 21 de Junho de 1949 era administrador do concelho João Ernesto Pereira. Segundo o Diário de Noticias de 2 de Março de 1950 por alvará do Governador Civil foi reconduzido no cargo de vice-presidente da Câmara João Ernesto Pereira.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura