CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > A > Atanásio, João Nunes
 

 

 

Atanásio, João Nunes

 

João Nunes Atanásio é natural da freguesia de Câmara de Lobos onde nasceu no dia 15 de Maio de 1947.

Ainda que proveniente de uma família sem recursos e sem traições musicais, a sua iniciação musical tem lugar por volta dos 7 anos de idade, altura em que, João Hermógenes de Barros o recruta para o coro que dirigia.

Aos 11 anos, novamente pela não de Hermógenes de Barros, seu mestre, padrinho e mecenas, ingressa na então Academia de Música e Belas Artes da Madeira, onde se matricula no curso de piano. Três anos depois, passa a ser bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, situação que, em virtude das capacidades que foi de­monstrando, manteve durante 13 anos consecutivos e que lhe permitiu prosseguir a sua formação musical.

Em 1973 conclui o Curso Superior de Piano do Conservatório Nacional, com distinção, após o que, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian frequenta, durante três anos, no seu Conservatório de música, em Aveiro, um curso de Aperfeiçoamento. No segundo ano é convidado a leccionar, nessa mesma instituição, a disciplina de piano e no terceiro ano, acumulada com o ensino de piano, a disciplina de formação musical, composição e a direcção do Grupo Coral do Conservatório. Durante esse período frequenta, no Porto, vários cursos de pedagogia musical, ministrados por figuras como o belga Jos Witach e o holandês Pierra Vau Hauve e participa ainda em dois cursos de criatividade musical realizados na cidade de Delfi na Holanda, o que lhe valeria o convite para, em 1988/ 89, aí se deslocar já na qualidade de monitor.

Em 1973 participa, no Estoril, num curso internacional, ficando entre os dez a quem, num total de 150 participantes, foram atribuídos diplomas de aproveitamento.

Ao se constituir o Conservatório de Música da Madeira foi convidado pelo seu Corpo Directivo para ministrar as disciplinas de piano e composição, convite que aceitou e onde hoje continua. Para além da sua actividade docente, João Atanásio tem na interpretação, composição musical e dinamização de grupos onde a música constitua um elemento imprescindível, uma outra faceta de inegável valor. Assim, durante a sua estadia em Aveiro deu em várias zonas do país, incluindo o Funchal, vários consertos de piano quer como solista quer como acompanhador. Já na Madeira, a par da sua actividade docente no Conservatório, inicia em 1977 o ensino da música numa instituição de deficientes e formou, em 1987, uma orquestra de deficientes, envolvendo os seus quatro tipos (intelectual, visual, auditivo e motor) e que representaria Portugal em três certames internacionais realizados em 1987 em Lisboa, em 1989 na Dinamarca e em 1991 na Holanda.

Em 1987 assume a direcção artística do Grupo Coral da Casa do Povo de Câmara de Lobos, entidade da qual se haveria de desligar no ano seguinte.

Em 1988, 1989 e, 1990 participa activamente tanto na coreografia conto nas composições musicais das marchas dos santos populares organizadas, em Câmara de Lobos, pela sua respectiva Casa do Povo. Em 1989, com base nos elementos do extinto Grupo Coral da Casa do Povo do Câmara de Lobos e a que se juntaram outros jovens, funda a Turma do Funil, troupe de carnaval, cujo valor tem sido alvo de comentários elogiosos por parte da imprensa regional e tem vindo a animar o desfile carnavalesco anualmente organizado, no Funchal, pela Secretaria Regional do Turismo Cultura e Emigração.

Também, por sua iniciativa, este grupo tem vindo, desde 1989 a participar no desfile da Festa da Flor, que todos os anos se realiza na capital madeirense.

Em 1989, já desligado do Grupo Coral da Casa do Povo de Câmara de Lobos, funda o Coro de Câmara de Câmara de Lobos.

De toda a sua actividade, a composição é sem dúvida aquela que mais o tem projectado a nível Regional e Nacional, nomeadamente através da sua participação nos festivais infantis ou juvenis. Dos nove festivais da canção infantil realizados na Madeira em que par­ticipou, as suas composições alcançaram em cinco deles o primeiro lugar, o que lhe deu possibilidades de, nessas ocasiões, representar a Região em certames Nacionais.

Em 1990 com a canção “O Macaco de Imitação» ganha o festival da Figueira da Foz e em anos ante­riores outras duas composições suas, “O Palhaço” e a “Flor Borboleta” são consideradas as melhores músicas, neste mesmo festival.

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

 

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura