CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > C > Chaves, Dr. Manuel Figueira de
 

 

 

Chaves, Dr. Manuel Figueira de

 

Natural da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, onde nasceu no dia 7 de Junho de 1830, tendo falecido no dia 19 de Fevereiro de 1912, na sua residência à rua dos Aranhas [1]. Era filho de Bento Figueira de Chaves e de Joaquina Rosa, casados na freguesia de Câmara de Lobos em 1820 [2].

Casou, na igreja de São Pedro, no Funchal, em 1861, com Maria Glória Coelho Chaves, de quem não houve geração [3], [4].

Após a conclusão do curso do Liceu do Funchal, matriculou-se na Escola Médico-Cirúrgica do Funchal onde se formou a 4 de Fevereiro de 1856 [5], tendo sido um dos alunos mais distintos do seu curso.

No exercício da sua nobre profissão, prestou os melhores serviços, quase sempre desinteressadamente.

Pode dizer-se que era o médico dos pobres, que muito o estimavam, porque ele, coração bondoso e favorecido de bens de fortuna, não se limitava a receitar gratuitamente, como também pagava, muitas vezes, os remédios e alimentos.

Em 1856, por ocasião da primeira invasão da epidemia colérica [...] prestou relevantes serviços no Funchal e em Machico, no hospital que ali foi improvisado [...] e foram de tal ordem esses serviços que a Câmara Municipal do mesmo concelho, querendo significar-lhe o seu apreço e a sua gratidão, em seu nome e dos seus munícipes, louvou-o de um modo altamente honroso, enaltecendo o zelo, a inteligência, a dedicação e a caridade com que ele se houve no tratamento dos coléricos [6].

No mesmo sentido, o brigadeiro António Rogério Gramicho Couceiro, então governador civil e militar da Madeira, em ofício datado de 31 de Outubro de 1856 dá conta de um outro louvor por ele atribuído, pela sua acção em Machico, para onde fora nomeado para tomar conta do hospital de coléricos aí criado e refere: Receba-o, pois [...] como uma prova evidente do alto apreço em que tenho o relevantíssimo serviço que V. Sª. Prestara durante a terrível crise que acabamos de atravessar, indo dirigir o hospital de coléricos da vila de Machico e atender os infelizes que ali fossem recolhidos [7].

Desempenhou interinamente o cargo de ajudante demonstrador da extinta Escola Médica do Funchal e, durante dois anos dirigiu os serviços clínicos no Hospício da Princesa D. Maria Amélia, recebendo os maiores elogios de Sua Majestade a Imperatriz D. Amélia.

Para além da sua actividade de médico, exerceu também por diversas vezes o cargo de vereador da Câmara Municipal do Funchal, tendo em determinada altura assumido a sua presidência, por impedimento do conselheiro Dr. Manuel José Viveiros, e de membro da Junta Geral do Funchal.

Recusou por mais de uma vez as Comendas de Cristo e da Conceição, atitude que também manteve relativamente à riqueza [8].

 



[1]     Diário de Notícias, 20 de Fevereiro de 1912. Fez testamento a 30 de Setembro de 1905, no notário Joaquim Manso de Sousa Júnior.

[2]     Registo de Casamentos de Câmara de Lobos,1820, L.314, fls. 209.

[3]     Registo de Casamentos de São Pedro, 1861, L.1399, fls.31.

[4]     Diário de Notícias, 20 de Fevereiro de 1912.

[5]     CLODE, Luiz Peter. Registo Bio-Bibliográfico de Madeirenses, séc. XIX-XX, pg. 123

[6]     Diário de Notícias, 20 de Fevereiro de 1912.

[7]     Diário de Notícias, 20 de Fevereiro de 1912.

[8]     Diário de Notícias, 20 de Fevereiro de 1912.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas