CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > J > Junta de Freguesia do Estreito de Câmara de Lobos
Link para a página Oficial da Junta de Freguesia do Estreito de Câmara de Lobos
 

Inauguração do Edifício da Junta de Freguesia e Casa do Povo

Discurso do Presidente da Junta de Freguesia do Estreito

 

 

 

Inauguração do Edifício da Junta de Freguesia e Casa do Povo

Discurso do Presidente do Governo Regional

 

 

 

Junta de Freguesia do Estreito de Câmara de Lobos

 

A Junta de Freguesia do Estreito de Câmara de Lobos tem a sua sede na rua Capitão Armando Pinto Correia, na freguesia do Estreito de Câmara de Lobos.

Relativamente ao edifício da sede da Junta de Freguesia e Casa do Povo, concebido segundo um projecto do arquitecto Ricardo Ferreira e construído pelo Governo Regional haverá a destacar, que o terreno onde se encontra implantado resultou de uma permuta com outro situado próximo e cedido à Câmara Municipal pelos herdeiros de António Prócoro de Macedo, como exigência desta, afim de que o processo de loteamento de uma parte da sua propriedade anexa à rua do Capitão Armando Pinto Correia pudesse ser aprovado. Com efeito, segundo, a acta da sessão camarária de 6 de Abril de 1989, esta cedência efectuada à Câmara Municipal não era mais do que a área correspondente ao afastamento obrigatório que qualquer construção junto de vias municipais teria de fazer. Posteriormente a Câmara, na sua sessão de 25 de Janeiro de 1990, aceita uma proposta de permuta desta fracção de terreno com outra do mesmo loteamento, pertencente a José Adelino Gonçalves e onde acaba por ser construído o edifício da Junta e Casa do Povo.

Antes da actual localização e desde a sua criação, após as eleições autárquicas de 1976, a Junta de Freguesia havia estado instalada, num prédio situado no cruzamento da rua Prof. José Joaquim da Costa com a rua da Achada.

Neste velho que, ao que parece, teria servido de residência, pelo menos de campo, a João Eleutério Carvão Gomes, um dos seus proprietários, esteve instalada no seu piso superior, durante muitos anos uma denominada escola feminina do Estreito e que, paralelamente, chegou também a servir de residência do respectivo professor. Ainda que não se saiba o momento, a partir do qual a escola foi instalada, em 1945 quando Cândido Augusto da Silva a adquiriu, ela já se encontrava em funcionamento[1].

Aliás, só por volta de 1984 é que nestas instalações deixaram definitivamente de serem utilizadas pelo ensino primário. Neste local esteve instalada desde a sua criação, em 1979 ou 1980 até ao fim do ano lectivo de 1989/90, altura em que foi transferida para o edifício da Escola Básico do 1ª Ciclo do Estreito, a primeira escola de ensino pré-primário do Estreito.

Para além de edifício escolar, o piso superior deste velho prédio, pertença da Câmara por arrendamento, serviu, entre 1975 e 1976, de sede ao Centro Cultural e Recreativo do Estreito, à Junta de Freguesia do Estreito, à Casa do Povo do Estreito e ainda à  Academia de Línguas da Madeira, a quando da sua instalação na freguesia. O piso térreo serve de sede à agência, no Estreito, da Cooperativa Agrícola do Funchal.

Sem que alguma vez tivesse tido estatutos, o Centro Cultural e Recreativo do Estreito (CCRE) surgira em consequência do encerramento, ocorrido em finais de 1974, das antigas instalações da organização católica de juventude JAC, anexas à igreja paroquial, por forma a preencher a lacuna deixada em termos de espaço cultural e de passagem de tempos livres, de um grupo de jovens na sua maior parte estudantes  que, não dispondo de sede é solicitada a cedência de duas salas, na altura devolutas [2].

Sensivelmente na mesma altura em que este grupo de estudantes solicitava estas instalações, o Dr. António Augusto de Gouveia[3], fazia o mesmo, mas com vista à instalação de uma auto-proclamada comissão instaladora para uma Junta de Freguesia, com o objectivo de substituir o então regedor, pretensão para a qual não teve, no entanto, parecer favorável.

A 27 de Janeiro de 1977 a Câmara, manda proceder à sua desocupação, afim de aí instalar a Junta de Freguesia do Estreito, que ali realizou a sua primeira reunião a 9 de Abril do mesmo ano.

Em Janeiro de 1990, encontrando-se os restantes compartimentos desocupados, na sequência da transferência da pré-primária verificada no ano anterior, a Junta acabaria por ocupar todo o piso superior do edifício, cedendo contudo em 1990, uma sala para sede da Casa do Povo do Estreito, reactivada por iniciativa da Junta de freguesia e em 1991 volta a ceder outra das salas à Academia de Línguas da Madeira, a quem havia sido convidado para se instalar do Estreito.

A 14 de Maio de 1996, com a inauguração da nova sede da Junta de Freguesia e Casa do Povo do Estreito, à rua Capitão Armando Pinto Correia, e logo depois com a transferência da Academia de Línguas da Madeira para as instalações da Fundação D. Jacinta de Ornelas, o edifício acabaria por ser cedido ao respectivo ao proprietário.

 

Desde a sua instalação, em 1977, foram presidentes da Junta de Freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, João da Silva, eleito pelo PPD a 12 de Dezembro de 1976; Arlindo Abreu de Freitas, eleito pelo PPD a 16 de Dezembro de 1979, a 12 de Dezembro de 1982 e a 15 de Dezembro de 1985; Manuel Pedro da Silva Freitas, eleito como independente nas listas do PPD/PSD a 17 de Dezembro de 1989, João Pinto Figueira, eleito nas listas do PPD/PSD a 12 de Dezembro de 1993 e a 14 de Dezembro de 1997 e José Adelino Gonçalves, eleito em Dezembro de 2001, 2005 e 2009. Na sequência do acto eleitoral de 29 de Setembro de 2013 viria a ser eleito Gabriel da Silva Pereira, cargo em que foi empossado no dia 15 de Outubro de 2013.

 

 

João da Silva

 

Arlindo Abreu de Freitas

 

Manuel Pedro da Silva Freitas

 

 
João Pinto Figueira José Adelino Gonçalves Gabriel da Silva Pereira  

 
[1] Na sessão Camarária de 10 de Outubro de 1945 é presente um requerimento de Cândido Augusto da Silva solicitando que a renda do prédio onde esta escola funcionava, passasse a ser averbado em seu nome, em virtude de o ter adquirido.
[2] O Centro Cultural e Recreativo do Estreito teve como principais fundadores Manuel Pedro da Silva Freitas, António Manuel Prócoro de Macedo, Francisco dos Reis Pestana [...]
[3] O Dr. António Augusto de Gouveia era natural da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos e faleceu em Vila Franca de Xira. Em 1974 tinha 32 anos de idade. Era filho de António de Gouveia e de Maria Rosa, naturais do Estreito de Câmara de Lobos e residentes ao sítio da Ribeira da Caixa.
Era licenciado em medicina pela faculdade de medicina do Porto. Na sessão camarária de 11 de Dezembro de 1974 é presente um requerimento seu solicitando a passagem de dois alvarás, um para bar ambulante e outro para auto-serviço de saúde a título experimental.
Dele são também os primeiros esforços no sentido de dotar a freguesia do Estreito de uma Junta de Freguesia em vez da continuidade do regedor, isto naturalmente antes das primeiras eleições autárquicas pós-revolução de Abril de 1974, onde tais infra-estruturas estavam já previstas. Com efeito em sessão camarária de 8 de Janeiro de 1974 surge um requerimento de um grupo de habitantes de que ele era um dos signatários solicitando que esta considerasse com destino provisório as instalações sem uso existentes no edifício da escola feminina da freguesia do Estreito e que cedesse as mesmas para local de trabalho, de reunião da comissão de voluntários de apoio à constituição de uma Junta de Freguesia.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura