CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z  
 
Entrada > Dicionário > L > Levadinha
 

Artigo de Manuel Pedro Freitas sobre a história das levadas do concelho de Câmara de Lobos, publicado no Jornal da Madeira de 18 e 25 de Abril, 2, 9, 16 e 23 de Maio de 1999

 

 

Levadinha

 

A levadinha é uma levada com origem na ribeira da Quinta de Santo António, na freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, nas proximidades da ponte popularmente conhecida pela denominação do Sr. Gregório e situada nas proximidades da união do caminho do Foro com a rua capitão Armando Pinto Correia. Esta levada em 1863 já era tida como antiga, pertencia a heréus e tinha giros de 17 dias.

De acordo com o Livro de vereações da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, sessão de 23 de Fevereiro, em 1934, numa altura em que surgiu um diferendo com Francisco Figueira Ferraz, a propósito de exploração de águas,  era seu presidente Francisco Firmino Henriques. Nesta altura Francisco Firmino Henriques, morador à vila de Câmara de Lobos, na qualidade de presidente da Comissão Administrativa da levada, denominada Levadinha do Estreito de Câmara de Lobos, expondo o facto de Francisco Figueira Ferraz estar a proceder à exploração de águas nos sítios das Romeiras, freguesia do Estreito, águas estas que, segundo consta, o dito Ferraz pretende doar ou por qualquer forma ceder a esta Câmara e como a referida exploração afectou direitos da Levada que o requerente representa está esta disposta a reivindicar judicialmente a água de que aquela exploração a privou, o que participa a esta Câmara para inteiro conhecimento. "

Depois de um curto percurso ao longo da margem Leste da Ribeira, atinge o Damasqueiro, seguindo durante algumas dezenas de metros, paralelamente à estrada João Gonçalves Zarco, para depois se afastar dela e dirigindo-se mais para Leste, atingir o fontenário da Levadinha, situado no cruzamento desta levada com o caminho municipal entre o largo do Patim e o Pico do Rato. Numa parte significativa do seu trajecto constitui a linha divisória entre o extremo sul do sítio da igreja e o extremo norte do sítio da Ribeira da Caixa. Actualmente votada ao estado de semi-abandono, esta levada antes do surgimento da levada do Norte regava uma substancial área do sítio da Ribeira da Caixa.

O topónimo Levadinha esta na base da denominação de um fontenário, destruído em 2004 - o Fontenário da Levadinda; de um caminho - o Caminho da Levadinda; de uma vereda - a Vereda da Levadinha e de uma travessa - a Travessa da Levadinha, vias de comunicação existentes ao longo do seu percurso até atingir o Caminho do Cemitério.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura