CÂMARA DE LOBOS - DICIONÁRIO COROGRÁFICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > S > Serrão, Manuel Rodrigues
 

 

 

Serrão, Manuel Rodrigues

 

Manuel Rodrigues Serrão era natural da freguesia de Câmara de Lobos, onde nasceu a 28 de Dezembro de 1793 [1], sendo residente ao sítio de Jesus Maria José, tendo falecido em data e local que se desconhece [2], [3]. Era filho de João Rodrigues Serrão e de Ana Baptista, ambos naturais de Câmara de Lobos [4].

Casou em Câmara de Lobos, no dia 7 de Agosto de 1822 com Vitorina Mendonça de Barros [5], [6], [7], [8],  filha de Lúcio Francisco de Barros, natural da freguesia da Sé e de Maria Ozório de Mendonça e Menezes, natural de Câmara de Lobos, [9]de quem houve pelo menos:

1. Vitórina Ozório de Menezes, falecida a 19 de Dezembro de 1891, na sua residência à rua Nova de São Pedro [10]. Casou no dia 2 de Maio de 1847, na freguesia de São Pedro, com João Fradesso Belo Júnior, filho de João Fradesso Belo, natural de Vila Viçosa e de Claudina Maria Rosa Fradesso, natural de São Jorge  de quem houve [11]:

2. João Fradesso Belo, nascido na freguesia de São Pedro em 1864, que casou na freguesia da Sé a 17 de Novembro de 1892 com Elisa Amélia Fradesso Belo [12], filha de João de Freitas Câmara e de Elvira de Jesus e falecido na rua Nova de São Pedro, 65, em 5 de Novembro de 1901.

2. Maria Amélia Fradesso

2. Henriqueta Fradesso

2. Gabriel, natural da freguesia da Sé, onde nasceu no dia 2 de Dezembro de 1894 e falecido na freguesia de Santo António a 29 de Maio de 1965.

2. Georgina Fradesso Belo, falecida no dia 22 de Abril de 1940, aos 78 anos de idade, na rua Nova de São Pedro, solteira e sem descendência.

 

Ainda que não existam livros de vereações entre 1835 e 1855, dados indirectos permitem-nos afirmar com toda a certeza que, durante este período Manuel Rodrigues Serrão terá ocupado durante alguns anos a presidência da Câmara Municipal de Câmara de Lobos.

Com efeito, em 1841 encontramo-lo a subscrever uma postura de 40 artigos aprovada em sessão camarária de 5 de Novembro de 1841 e que mereceria parecer favorável em Acordão do Conselho Distrital de 23 de Novembro do mesmo ano. Nessa altura, para além de Manuel Rodrigues Serrão, que era o presidente, faziam parte do elenco camarário Luís António Felgueiras (fiscal); João Gonçalves Henriques, Pedro d'Ornelas e Silva e João Teixeira de Agrela [13].

Em notícia publicada na imprensa da época, dá-se conta de que na sua sessão de 15 de Abril de 1850, a Câmara Municipal de Câmara de Lobos, havia feito uma petição feita ao Reino no sentido de ser autorizada a cultura de tabaco, surgindo como subscritores Manuel Rodrigues Serrão que por ser o primeiro subscritor é provável que corresponda ao seu presidente. Assinam ainda esta petição camarária, João Gonçalves Henriques, José Figueira de Araújo, Gregório Nazianzeno de Barros e António de Abreu Macedo. Em Novembro de 1850 também encontramos, na imprensa o nome de Manuel Rodrigues Serrão, como presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos [14].

Em 1852, voltamos a encontrar o nome de Manuel Rodrigues subscrevendo posturas de Câmara de Lobos. Na altura, para além de Manuel Rodrigues Serrão, que era o presidente faziam parte do elenco camarário: José Figueira de Ornelas, António Caetano Figueira de Barros Henriques, Izidoro Giz Figueira e Gregório Naziazeno de Barros.

Em Dezembro de 1855 voltamos a encontrar o nome de Manuel Rodrigues Serrão, como presidente da Câmara, desta vez já no respectivo livro de actas, o primeiro e também o mais antigo, existente nos arquivos da Câmara Municipal de Câmara Municipal de Câmara de Lobos.

No dia 10 de Maio de 1855 era presidente da Câmara Municipal de Câmara de Lobos Manuel Rodrigues Serrão e faziam parte do elenco camarário: José Figueira de Araújo (fiscal); Luís Soares de Sousa; José Figueira da Silva e Maximiano Francisco de Barros.

Manuel Rodrigues Serrão viria a cessou funções no dia 2 de Janeiro de 1856, sendo, nesse mesmo dia substituído pelo Morgado João António Osório de Menezes.

A 15 de Outubro de 1856, volta novamente à Câmara, desta vez como vereador, em substituição da vaga deixada em aberto pela saída do então presidente da edilidade.

Atendendo a que nesta altura os mandatos eram bienais e que na sessão de 2 de Janeiro de 1856 foi empossada nova Câmara, chefiada pelo Morgado João António Ozório de Menezes, para o biénio de 1856/1857, poderemos admitir que Manuel Rodrigues Serrão tenha sido presidente da Câmara nos três biénios anteriores, ou seja de 1850/1851, 1852/1853 e 1854/1855. Por saber fica a duração do mandato de presidente em que o encontramos no ano 1841.


 


[1]      Registo de Baptizados da freguesia de Câmara de Lobos. Livro 299, fls. 176, 5 de Janeiro de 1794.

[2]      No recenseamento eleitoral de 16 de Janeiro de 1858, encontramos unicamente um indivíduo com o nome de Manuel Rodrigues Serrão, de 64 anos,  lavrador, casado e residente ao sitio de Jesus Maria José. Era jurado e o um Lenço ou Censo de 200$000 reis, valor que era o dobro do correspondente á esmagadora maioria dos restantes eleitores. Nesta altura parecia ser administrador, José Joaquim Henriques, proprietário, de 44 anos, natural da Quinta do Leme. Contudo, uma leitura mais atenta do Livro de actas pode esclarecer este assunto.

[3]      Em 1878, Manuel Rodrigues Serrão já não aparece no recenseamento eleitoral, pelo deverá ter fale­cido no ano anterior, altura em que teria 83 anos de idade.

[4]      Livro 313 de registo de casamentos da freguesia de Câmara de Lobos, fls. 204.

[5]      No assento de casamento de Vitorina Ozório de Menezes com João Fradesso Belo Júnior, o nome de sua mãe aparece como Vitorina de Mendonça e Menezes, sendo ambos naturais e residentes em Câmara de Lobos.

[6]      Vitorina Maria de Barros (no registo do seu óbito ocorrido a 25 de Outubro de 1871, o seu nome surge como Vitorina Mendonça de Barros Rodrigues e no registo de enterramento no cemitério de Câmara de Lobos o seu nome surge como Vitorina Mendonça de Barros Corrêa. Vitorina de Mendonça e Menezes. Mas atenção ao que parece, Vitorina Mendonça de Barros já era viúva nesta altura, o que levanta alguns problemas uma vez que no Recenseamento aparece um Manuel Rodrigues Serrão até 1877. Será que corresponde ao mesmo Manuel Rodrigues Serrão?.

[7]      Foram testemunhas o tenente Silvestre Ozório de Menezes e Januário António Ozório de Menezes.

[8]      Atenção: Há necessidade de confirmar a assinatura porque existem dois Manuel Rodrigues Serrão, um casado com Vitorina Mendonça de Barros (Livro 314 de registos de Câmara de Lobos, fls. 219v) e, outro casado com Vicência do Nascimento (Livro de registos de casamentos de Câmara de Lobos, fls. 159).

[9]      Assento de Casamento de Câmara de Lobos: Livro 314, fls. 219Vº.

[10]     A referencia à sua morte surge numa participação publicada no Diário de Noticias de 20 de Dezembro de 1891 e onde o seu nome surge como Vitorina Ozório Fradesso, mãe de João Fradesso Belo, Maria Amélia Fradesso, Henriquesta Fradesso e Georgina Fradesso.

[11]     CLODE, Luiz Peter. Registo Biobibliográfico de Madeirenses, séc. XIX-XX, pg. 193.

[12]     Em 1940, por ocasião da morte de Georgina Fradesso Belo, ainda era viva Elisa Amélia Fradesso Belo, a que o Jornal da Madeira de 24 de Abril de 1940 dá condolências.

[13]     Colectânea de posturas Municipais do Concelho de Câmara de Lobos entre 1835 e 1864.

[14]     Jornal "O Amigo do Povo", Funchal, 9 de Novembro de 1850.

 

Câmara de Lobos

Dicionário Corográfico
Edição electrónica

Manuel Pedro Freitas

Câmara de Lobos, sua gente, história e cultura